A escrita para crianças e jovens, por Flávia Lins e Silva
em 30/12/2015

Escritora de livros infantojuvenis e roteirista audiovisual, Flávia Lins e Silva tem entre suas obras mais conhecidas a série de diários da Pilar, Nas Folhas do Chá, Os Detetives do Prédio Azul e Mururu no Amazonas. Tem livros traduzidos para Alemanha, Argentina, China, França, México, Polônia e Sérvia.


No depoimento, fala das suas motivações e diz não parar de ter ideias para escrever. Além de pontuar as diferenças entre seu trabalho de roteirista e escritora, comenta seu método de criação, diz adorar a página em branco e não saber para onde seus personagens a levarão. Apesar de não criar planos para a escrita, Flávia explica a metodologia usada para dar sequência à série de livros da personagem Pilar. Fala ainda sobre as diferenças necessárias na edição de livros dedicados ao público infantojuvenil, do contato com seu público e da importância da parceria entre literatura e audiovisual e a necessidade de mais incentivos à tradução, como a bolsa da Fundação Biblioteca Nacional.


Depoimento gravado durante o encontro Conexões – Literatura Brasileira no Exterior: Mercado, Ensino e Mídia, na sede do Itaú Cultural, em São Paulo, em novembro de 2014.


Leia mais sobre a autora na Enciclopédia Itaú Cultural.


Assista outros vídeos do Conexões Itaú Cultural.


Leia mais sobre o mapeamento e os mapeados no Banco de Dados Online.

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.