Universidade de Santiago de Compostela lança site Brasil Galiza
em 11/06/2018

Carmen Villarino Pardo, professora titular de Literatura Brasileira da Universidade de Santiago de Compostela (USC), concedeu entrevista exclusiva  para o Conexões Itaú Cultural sobre o trabalho da universidade e o lançamento do site Brasil Galiza. Entrevista concedida por e-mail para o jornalista Claudiney Ferreira, gerente do núcleo de Literatura e Audiovisual do Itaú Cultural.

 

O site Brasil Galiza é desenvolvido por Carmen Villarino Pardo, Vivian Rangel (Leitora do Brasil na USC) e Márlio Barcelos e Janaína Marques (doutorandos brasileiros da USC). É possível conhecer nele algumas iniciativas desenvolvidas para entender melhor o Brasil e a sua literatura e cultura: os estudos sobre o país já existem há mais de 20 anos na faculdade. Entre as atividades realizadas, está a quarta edição do  Encontro Internacional Conexões Itaú Cultural na USC, em 2011.

 

Quais são os principais conceitos dos estudos de literatura e cultura brasileiras na Universidade de Compostela?

 

No plano de estudos da Graduação em Línguas e literaturas modernas: Estudos lusófonos da Universidade de Santiago de Compostela oferecemos várias disciplinas que focam, direta ou indiretamente, estudos sobre literatura e cultura brasileiras. De modo direto, nas matérias de Literatura Brasileira I, Literatura Brasileira II e Cultura do Brasil, todas elas semestrais, no modelo do atual plano de estudos -acorde ao projeto do Espaço Europeu de Educaçao Superior (EEES) e ao conhecido como Plano Bolonha.

 

De modo geral, abordamos a cultura e, fundamentalmente, a produção literária brasileiras de uma perspectiva sociológica e, sempre, trabalhando com os textos brasileiros na língua original. Com grande dificuldade para podermos ter acesso a muitos materiais do Brasil.

 

Somos conscientes de que lecionar/trabalhar sobre o Brasil em uma universidade galega tem conotações histórico-culturais, que é preciso ter em consideração; e mais ao trabalhar em sala de aula com alunos/as de diversas procedências (da Galiza e outros lugares do Estado Espanhol, de países europeus através dos programas Erasmus e de países da América Latina – incluidos brasileiros/as – através de convênios bilaterais).

 

Tendo em conta essas circunstâncias, o nosso foco centra-se, em geral, em compreender e analisar a produção cultural e literária do Brasil como fenômenos sociais em diversos momentos históricos, com ênfase para a contemporaneidade.

 

No caso da literatura brasileira, há um segmento que mais interessa à Universidade?

 

Há duas disciplinas específicas de literatura brasileira no nível da graduação em Línguas e Literaturas Modernas: Estudos Lusófonos.

 

No caso da Literatura Brasileira I, o programa está centrado na produção literária brasileira – e nas dinâmicas histórico-sociais em que se desenvolve – até início do século XX. Uma matéria em que se abordam, entre outros, a construção do Brasil através de diferentes projetos sócio-políticos, culturais e literários, assim como diferentes propostas de construção de um cânone brasileiro.

 

Pelo próprio teor da matéria e pela condição de opcional na grade curricular para outros perfis de alunos/as (em combinações com outras línguas e culturas oferecidas na Faculdade de Filologia, além das de língua portuguesa) a disciplina de Literatura Brasileira II é mais solicitada. Nesta, e também numa perspectiva de sociologia da literatura, abordamos as dinâmicas do sistema literário brasileiro durante os séculos XX e XXI, pondo em relação questões atuais com as de outros momentos históricos. Assim, por exemplo, a disciplina começa por analisar e discutir aspectos da produção literária e das transformações sociais e estabelecem-se contrastes com a virada do século XIX para o XX (Belle Époque, festivais literários na atualidade; Semana de Arte Moderna, Semana de Arte Moderna da Periferia, processos de internacionalização da literatura e do mercado editorial, etc.).

 

 

 

Há quanto tempo Compostela mantém algum ensino de literatura e cultura brasileiras e qual a média de alunos?

 

A Universidade de Santiago de Compostela conta com um histórico muito destacado no âmbito dos estudos lusófonos no Estado Espanhol. Essa tradição consolidou-se quando entraram em funcionamento os planos de Filologia Portuguesa em meados da década de 1990.

 

Com essa oferta iniciou-se uma tradição de estudos de literatura e cultura brasileiras (junto com as dos PALOP – País Africano de Língua Oficial Portuguesa – e acrescentada à tradição de estudos sobre Portugal e a língua portuguesa) com disciplinas que trabalham diretamente esse âmbito (além de o focar também em outras como Literaturas Comparadas na Lusofonia, Sociologia das literaturas de língua portuguesa ou, na atualidade e entre outras, Literaturas de língua portuguesa).

 

A primeira dessas matérias centrada unicamente no Brasil foi Literatura Brasileira I, com início no ano acadêmico 1996-1997 (Villarino Pardo, 2014: 190-197)[1].

 

Nos anos seguintes e, paulatinamente foram incorporando-se outras matérias de literatura e cultura (de caráter anual ou semestral, obrigatório ou opcional), com adaptações aos posteriores planos de estudo adotados na USC.

 

Trata-se, em geral, de turmas pequenas, pelo teor deste tipo de disciplinas na atual Graduação de Modernas; permitindo-nos um trabalho continuado e intenso com os/as alunos/as através de diversos tipos de atividades (individuais e grupais).

 

No ano acadêmico 1997-1998, a USC contratou pela primeira vez (pago pela Universidade) e até à atualidade, uma pessoa como leitor/a do Brasil para lecionar, junto com professores/as do Núcleo de Docentes de Português da USC, estas e outras disciplinas.

 

Seria importante que esse leitor/a pudesse fazer parte da rede de Leitorados da CAPES.

 

Por que criar o site sobre as relações Brasil-Galiza?

 

Santiago de Compostela e a sua Universidade, assim como toda a Galiza, são uma porta de intercomunicação privilegiada na relação do Brasil com a Espanha e vice-versa.

 

E na Faculdade de Filologia da USC, há mais de vinte anos que vimos trabalhando para compreender melhor o Brasil e a sua literatura e cultura, com numerosas atividades e eventos que foram divulgados por diversas vias.

 

Com esse motivo, entendemos que era um momento importante para construir um espaço singularizado e aberto que evidenciasse parte desse trabalho e que permitisse abrir outras perspectivas e dinâmicas.

Por trás do site está um grupo de pessoas vinculadas à USC com diferentes responsabilidades no âmbito brasileiro: como Professora Titular (Carmen Villarino Pardo), como Leitora (Vivian Rangel) e como doutorandos (o anterior leitor, Márlio Barcelos, e Janaína Marques).

 

– Qual o público que vocês pretendem atingir?

 

O público alvo é diverso. Em primeiro lugar, pensamos nos/as alunos/as que integram as turmas da USC e aquelas outras pessoas que, com um perfil similar em universidades do Brasil e do exterior ou com quaisquer outros perfis, pretendem compreender melhor aspectos da literatura e da cultura brasileiras.

 

Para todas elas, oferecemos uma praça pública que disponibiliza atividades vinculadas ao trabalho na USC (Aulas Abertas e Eventos), informações de outro teor (Novidades, Enlaces) e um espaço que, a modo de revista, pretende oferecer um tema trimestral de discussão (Reflexões).

 

Há algum proposta de participação de acadêmicos brasileiros no site? Há espaço para propostas e sugestões?

 

Com certeza. No ítem Reflexões a equipe do Brasil Galiza propõe um assunto trimestral em que convida três pessoas de reconhecida trajetória ou com destaque no tema indicado para escreverem um artigo de opinião. E, depois, pode ser comentado no Facebook do site. Precisamente o assunto inicial para estas reflexões é o das Relações Galiza – Brasil em que contamos com a perspectiva do reconhecido escritor brasileiro Luiz Ruffato para inaugurar a seção e, a continuação, com a de uma mediadora cultural portuguesa, com responsabilidades num prestigiado festival literário.

 

As nossas Aulas Abertas são atividades organizadas durante o período letivo e, como não dispomos de orçamento, dependem sempre da generosidade das pessoas que nelas participam presencialmente. Por isso é cada vez mais importante contarmos –para algumas delas- com ferramentas como o Skype que permitem uma participação brasileira fundamental, não apenas de acadêmicos/inteletuais/jornalistas/escritores/etc, como também, e muito necessária, de alunos e alunas de outras universidades, para uma troca sempre enriquecedora.

 

Nesse espírito de dinamismo e trocas, pretendemos publicar Resenhas de obras (não apenas livros) recentes sobre literatura e cultura brasileiras num formato de blogue dentro do site, com presença também no Facebook.

 

Além disso, o site está aberto, através do Contato, para qualquer pessoa ou instituição que quiser enviar comentários ou notícias para podermos avaliar e, se for o caso, publicar (na seção de Novidades e/ou na seção de links). E temos também uma página de Facebook como ferramenta para um maior contato com as pessoas e as suas inquietudes.

 


[1] Villarino Pardo, M. Carmen (2014). “Outros modos do olhar estrangeiro sobre a literatura e a cultura brasileiras”. In Pedro Meira Monteiro (org.). A primeira aula. Trânsitos da literatura brasileira no estrangeiro. São Paulo: Itaú Cultural/Hedra, pp. 190-197. Disponível no blog Conexões Itaú Cultural.


 

Visite o site Brasil Galiza.

 

Assista também o vídeo com depoimento de Carmen Villarino sobre sua trajetória: parte 1/ parte 2/ parte 3.

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.