Publicar traduções nos Estados Unidos
em 11/01/2010

O blog Publishing Perspectives postou uma interessante matéria de Emily Williams sobre as dificuldades para publicar traduções nos Estados Unidos.

Emily Williams contesta a versão geralmente veiculada de que a mentalidade insular e provinciana dos editores – e leitores – norte-americanos seja o fator que dificultaria o aumento do número de traduções de autores estrangeiros publicadas nos EUA, que hoje não passa dos 3% do total de títulos editados naquele país.

Segundo Williams as dificuldades decorrem do fato de poucos editores terem capacidade de ler em outros idiomas e do fato dos editores estrangeiros não se prepararem adequadamente para apresentar seus produtos no mercado norteamericano, com amostras de traduções e resumos em inglês para que sejam acessíveis aos editores dos EUA.

Williams chama atenção para o fato disso não ser uma característica exclusiva dos editores americanos, alegando que em outros países, como a Alemanha, França e países nórdicos, as traduções de outros idiomas que não o inglês são também muito escassas. Chama atenção para o fato de que, profissionalmente, editores de todos os países tem como requisito “quase obrigatório” a capacidade de ler em inglês, e que isso facilita muito a difusão dos autores que escrevem nesse idioma. Chama atenção também para o fato de que as editoras gringas, “extremamente conscientes dos fatores de custo”, optam por traduzir autores que, de alguma maneira, possam ser mais facilmente comercializados.

A blogueira não deixa de reconhecer a força da cultura pop americana como impulsionadora das traduções de autores daquele país para outros idiomas.

A necessidade de que seja feito um trabalho de apresentação mais profissionalizado, com a preparação de amostras de tradução e material de divulgação em inglês também havia sido assinalada por Carmen Corral, editora da espanhola Tusquets, que esteve presente no recente Encontro Internacional Conexões Itaú Cultural, que aconteceu no Rio de Janeiro em dezembro passado. Veja, a respeito, o post logo abaixo.

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.