Tradutor: uma ponte entre culturas
em 01/12/2009
Cliff Landers, Moacyr Scliar, Beatriz Resende, Rodolfo Mata e Férenc Pál

Cliff Landers, Moacyr Scliar, Beatriz Resende, Rodolfo Mata e Férenc Pál

O tradutor como ponte não apenas entre literaturas, como principalmente entre culturas foi o mote central da segunda mesa do II Encontro Conexões Itaú Cultural – Traduzindo o Brasil – Limites e Possibilidades.

A mesa do Conexões foi mediada por Beatriz Resende, diretora do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ, onde acontece o encontro deste ano, e contou com a participação de Clifford Landers, Moacyr Scliar, Rodolfo Mata e Ferénc Pál.


Clifford Landers abriu a fala sobre sua experiência como tradutor de literatura brasileira afirmando que “traduzia culturas”. Contou que nos Estados Unidos há poucos livros estrangeiros com boa vendagem. Depois de narrar algumas dificuldades na tradução de livros como os de Rubem Fonseca, encerrou sua participação revelando a frustração de ser um tradutor em um país em que poucos lêem tradução.

O escritor Moacyr Scliar fez uma avaliação da presença da literatura brasileira no exterior. Contou que, na década de 70, a literatura latino-americana foi bastante traduzida na Europa e que comprar um exemplar passava a ser um modo de solidarizar-se com a luta contra as ditaduras que assolavam o continente. Scliar fez ainda comentários sobre o fenômeno Paulo Coelho no exterior. Segundo ele, os livros de Coelho vendem não porque são literatura brasileira; ao contrário, segundo o escritor, Coelho seria um recorde de vendas porque sua literatura é sem identidade, “globalizada” – nesse sentido, sustenta, trata-se de caso único, que não serviria para mensurar a divulgação da literatura brasileira no exterior. Sugerindo que uma saída para a difusão da literatura brasileira exija o trabalho com “multiplicadores” (como professores universitários), Scliar afirmou que o público leitor dos escritores brasileiros é o público brasileiro.

O professor da UNAM Rodolfo Mata leu um texto em que, como não tem o português como língua materna, refletia sobre a própria escrita traduzida. Nele, tratou da tradução como um ato de paixão, mas não deixou de abordar a delicada relação com o mercado e a dificuldade em atrair a atenção de editoras comerciais mexicanas para os livros brasileiros.

O professor da Universidade de Budapeste Ferénc Pál fez exposição sobre a recepção da literatura brasileira na Hungria. A fim de ilustrar as origens das relações entre Brasil e Hungria, discutiu o caso do Mór Jókai. Em muitos dos livros de Mór Jókai, popular escritor húngaro do século XIX, o Brasil aparece como cenário. Contou que, se nos anos 80 as publicações de livros brasileiros apareciam por intermédio da universidade, que tinha pesquisadores-tradutores, hoje, elas ocorrem por iniciativas individuais, como a do embaixador brasileiro na Hungria, ou de pequenas editoras como a Íbisz.

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.