Descobrir o Brasil: revistas literárias
em 02/12/2009
Carlos Pereiro, Claudiney Ferreira, Leila Lehnen e Pedro Serra.

Carlos Pereiro, Claudiney Ferreira, Leila Lehnen e Pedro Serra.

O II Encontro Conexões Itaú Cultural – Mapeamento Internacional da Literatura Brasileira prosseguiu no dia 2 de dezembro com mais duas mesas-redondas. A primeira destas – Descobrindo o Brasil: revistas literárias – trouxe análises do modo como as culturas digital e impressa podem ser importantes à divulgação da literatura brasileira no exterior.

Mediada por Claudiney Ferreira, gerente do Núcleo Diálogos do Itaú Cultural, a mesa contou com a participação de Carlos Paulo Martinez Pereiro, Leila Lehnen e Pedro Serra.

O professor da Universidade de Corunha Carlos Paulo Martinez Pereiro foi o primeiro a falar. Tratou da sua relação com a literatura brasileira e da sua experiência como coordenador de Publicações da Biblioteca-Arquivo Teatral Francisco Pillado Mayor.

Leila Lehnen, professora da Universidade do Novo México, discutiu a mudança na concepção de literatura, que de palavra sobre papel passa a ser também a palavra materializada em meios digitais. Estudiosa da literatura brasileira contemporânea, afirmou que os meios digitais são fundamentais para a atual produção. Trazendo dados a respeito das publicações de artigos brasileiros em revistas (eletrônicas e impressas), Lehnen mostrou como as revistas norte-americanas de crítica literária não dão muito espaço a artigos sobre literatura brasileira.

Também comentou o caso da prestigiosa PMLA: Journal of the Modern Language Association of America, que tem apenas 7 artigos (de um total de 6.975) dedicados a temas brasileiros. Quando tratou da situação dos docentes de literatura brasileira nos EUA, lembrou o fato de que os departamentos de estudos brasileiros costumam estar associados aos de outros países. Além disso, revela, os próprios professores terminariam por privilegiar outros aspectos da cultura brasileira, como o cinema. Encerrou sua fala comentando que o papel dos professores e pesquisadores é difundir a literatura brasileira e estimular intercâmbios entre universidades.

A última participação na primeira mesa da quarta-feira foi a do professor da Universidade de Salamanca Pedro Serra, que falou de revistas impressas e eletrônicas e, em particular, tratou da Revistas de Estudos Portugueses e Brasileiros, da qual é editor. Pensando nas políticas universitárias, discorreu sobre a noção de “coisa pública” e mencionou as mudanças sofridas pelas universidades européias com os acordos de Bolonha no âmbito da Comunidade Européia, tema que já havia sido mencionado por Leonardo Tonus em mesa anterior.

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.