Conquista do Mercado Internacional e Formação de Leitores Locais
em 11/03/2014

No domingo anterior ao Carnaval, a editora Luciana Villas-Boas publicou no caderno Ilustríssima um diagnóstico, seu, do crescente alcance da literatura brasileira no exterior. Sua crítica reside em um direcionamento do mercado literário brasileiro para fora que se dá em detrimento da formação de leitores locais. Nesse domingo após o carnaval, o escritor João Paulo Cuenca, que estava justamente em viagem de trabalho por universidades dos Estados Unidos, publicou no mesmo periódico uma resposta à provocação da editora.

Villas-Boas interpreta a multiplicação de volumes traduzidos em diversos idiomas como um resquício da síndrome moderna: o colonizado deseja se afirmar no Primeiro Mundo. Cuenca rebate esse argumento com um diagnóstico pessoal e sincero de escritor: o autor quer ser lido, pelo máximo de pessoas que conseguir atingir. Ambos os textos se posicionam, ainda, em relação aos apoios à tradução praticados pela Biblioteca Nacional, que constituem os principais incentivos para tal movimento da literatura brasileira.

Confira o debate:

 Texto de Luciana Villas-Boas

Resposta de João Paulo Cuenca

LUCIANA VILLAS-BOAS – “É PRECISO RECUPERAR O PÚBLICO BRASILEIRO”

FOLHA DE S.PAULO DESTACA INTERESSE ESTRANGEIRO E A MOVIMENTAÇÃO DAS EDITORAS NACIONAIS EM PROL DA FICÇÃO BRASILEIRA

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.